A maioria dos muçulmanos quer que as forças militares dos Estados Unidos saiam do Oriente Médio, segundo uma pesquisa realizada no Egito, Marrocos, Paquistão e Indonésia.

Essa ampla maioria (74%) entrevistada nesses países quer que os Estados Unidos “abandonem suas bases e que todos os soldados americanos deixem os países muçulmanos”, segundo a enquete realizada pelo Instituto WorldPublicOpinion.org em colaboração com a Universidade de Maryland.

A grande maioria (91%) dos egípcios e marroquinos (69%) aprovam, além disso, os ataques contra os soldados americanos no Iraque, enquanto 61% dos indonésios desaprovam. Os paquistaneses estão divididos: 31% são favoráveis e 33% se mostram contrários.

Estas tendências são quase idênticas em relação aos ataques contra soldados americanos no Afeganistão e no Golfo.

Os ataques contra civis americanos e ocidentais são, em compensação, amplamente desaprovados nos quatro países em que a pesquisa foi realizada.

A maioria dos entrevistados concorda com muitos dos objetivos da Al-Qaeda, como a aplicação da sharia ou a instauração de um califato nos países muçulmanos. Em compensação, Osama bin Laden não consegue uma adesão majoritária em nenhum dos quatro países.

O Egito se distingue nesse sentido com um total de 40% de opiniões positivas sobre o líder da Al-Qaeda. Mas apenas 17% dos indonésios têm os mesmos sentimentos.

Quanto ao 11 de setembro, apenas 3% dos paquistaneses consideram que a Al-Qaeda é responsável pelos ataques, enquanto 20% citam o governo americano. Vinte e nove por cento dos egípcios e 15% dos marroquinos acham que Israel é o instigador. Mas 71% dos paquistaneses dizem não saber quem é o responsável, assim como 29% dos egípcios, 43% dos indonésios e 28% dos marroquinos.

Font: AFP