Em 2015 foram registrados mais de 200 atos de violência anticristã na Índia. Sete pastores protestantes e um leigo foram mortos, enquanto as vítimas de diversas formas de violência – incluindo mulheres e crianças – chegaram a 8 mil. Inúmeras igrejas foram atacadas ou destruídas. Foi o que revelou o relatório “India Christian Persecution”, elaborado pelo “Catholic Secolar Forum” (CSF), organização da sociedade civil indiana.

[b]Grupos extremistas hinduístas responsáveis pela violência
[/b]
Segundo o Relatório sobre as violências contra os cristãos na Índia em 2015, os autores da violência são grupos e formações [img align=left width=300]http://media02.radiovaticana.va/photo/2015/12/25/AP3232359_Articolo.jpg[/img]extremistas e fanáticas hinduístas, que promovem a ideologia do Hindutva, que objetiva eliminar da Índia os fieis das religiões não hinduístas. Tais grupos são hostis às minorias religiosas muçulmanas e cristãs e difundem uma campanha de ódio e de difamação que depois gera atos concretos de violência.

[b]Madhya Pradesh registra maior número de violências
[/b]
Segundo revela o relatório, esta ideologia é mais propagada no Estado de Maharashtra, enquanto no topo da lista de violências anticristãs está o Estado de Madhya Pradesh. A seguir vem Tamil Nadu, Jharkhand, Chhattisgarh, Haryana, Odisha, Rajasthan, em uma lista da qual constam mais de 23 Estados da União indiana.

[b]Cerimônia hinduísta de reconversão para dalit e tribais cristãos
[/b]
O Relatório revela que uma das principais acusações contra os cristãos é a de “conversões forçadas”, com meios fraudulentos. Por este motivo, o governo de Madhya Pradesh modificou a chamada “lei anti-conversões”, tornando mais rígidas as penas. O leigo católico Joseph Dias, responsável do CSF, explica que “a conversão forçada não faz parte de forma alguma do horizonte da fé cristã. Trata-se somente de dar liberdade de consciência e de religião, prevista pela Constituição”. Tiveram um aumento, por outro lado, as “cerimônias de reconversão”, organizadas por grupos extremistas hinduístas em diversos Estados indianos, em que os dalit e tribais cristãos são obrigados a converterem-se em massa ao hinduísmo.

[b]A difusão do grupo extremista hinduísta RSS
[/b]
Entre os grupos responsáveis pelas violências, consolidou-se em 2015 o Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), que “reforçou sua influência sobre o sistema político do país”, observa o texto. Atualmente a sigla conta com mais de 15 milhões de militantes distribuídos em 50 mil células locais, e em suas fileiras estão presentes membros da polícia, da magistratura e da administração estatal.

[b]Fonte: Rádio Vaticana[/b]