NETFLIX
NETFLIX

A Netflix se manifestou contra a lei antiaborto da Geórgia e ameaça reduzir seus investimentos caso a lei antiaborto seja aprovada.

O estado propõe uma das leis mais rigorosas contra o aborto, ao proibir o procedimento após seis semanas de gestação.

O serviço de assinatura citou a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) para dizer que “trabalhará com a ACLU” e outras entidades pró-aborto para combater o “projeto de batimento cardíaco fetal” no tribunal, caso se torne uma lei totalmente aplicada em todo o estado.

A lei foi sancionada pelo governador Brian Kemp em 7 de maio, mas não será aplicável até 1º de janeiro de 2020. Ela proíbe procedimentos de aborto assim que os médicos detectarem um batimento cardíaco fetal, que geralmente ocorre em seis semanas.

Defensores do aborto alegam que nesse período muitas mulheres não sabem que estão grávidas.

O governador disse que a lei é uma garantia para que “todos” os moradores da Geórgia “tenham oportunidades de viver, crescer, aprender e prosperar”. Por isso, “Nós não vamos voltar atrás. Nós sempre continuaremos lutando pela vida”, disse.

O diretor de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, disse em entrevista à Variety que a empresa está pensando nas mulheres ao se declarar contra a possível lei.

“Temos muitas mulheres trabalhando em produções na Geórgia, cujos direitos, juntamente com milhões de outras, serão severamente restringidos por esta lei”, justificou.

“É por isso que vamos trabalhar com a ACLU e outros para lutar no tribunal. Como a legislação ainda não foi implementada, continuaremos a filmar lá, além de apoiar parceiros e artistas que preferem não filmar. Se isso entrar em vigor, repensaremos todo o nosso investimento na Geórgia”, disse Sarandos. 

A Netflix usou locações de filmagem na Geórgia para alguns de seus maiores sucessos, como “Stranger Things” e “Ozark”.

Em resposta, os defensores pró-vida deixam clara a hipocrisia da política de “escolha e escolha” da empresa de entretenimento em relação às medidas contra o aborto.

“É muito revelador que nenhuma dessas organizações protestou contra leis extremas de aborto / infanticídio em Nova York e outros estados”, escreveu Obianuju Ekeocha no Twitter. “Mas todos eles estão protestando contra uma lei que protege bebês”.

Outros pediram que pessoas pró-vida cancelem suas assinaturas na empresa. “Se você tem uma assinatura da Netflix, saiba que está apoiando pessoas que fazem aborto e que estão lutando contra estados que estão aprovando leis pró-vida que salvarão bebês”, escreveu uma pessoa.

Fonte: Guia-me como informações de Faith Wire