Cristãos na Eritreia
Cristãos na Eritreia

A ONU expressou séria preocupação sobre a repressão aos cristãos na Eritreia após o fechamento de centros de saúde e uma série de prisões arbitrárias. 

As autoridades recentemente apreenderam centros de saúde administrados por católicos sem aviso prévio e removeram funcionários que se recusaram a dar seu consentimento. 

A Igreja Católica opera em torno de 40 hospitais e centros de saúde em todo o país, incluindo muitos em áreas rurais. 

A relatora especial da ONU sobre a situação dos direitos humanos na Eritreia, Daniela Kravetz, disse que o fechamento das instalações teria um impacto negativo sobre o acesso das pessoas à assistência médica, particularmente em áreas rurais remotas. 

“Essas ações mostram que, apesar do melhor clima regional para paz e segurança, a situação dos direitos humanos na Eritreia permanece inalterada”, disse ela.

“Exorto a Eritréia a cumprir seus compromissos internacionais como membro do Conselho de Direitos Humanos e permitir que as instituições religiosas operem livremente e todos os eritreus exerçam seu direito à liberdade de religião dentro do país”.

Ela continuou: “A apreensão dessas unidades de saúde terá um impacto negativo no direito à saúde das populações afetadas, em particular nas áreas rurais remotas.

“Ao restringir as atividades da Igreja Católica, as autoridades da Eritreia estão restringindo o direito de seus cidadãos a desfrutar de cuidados de saúde de qualidade.”

A perseguição ocorreu apesar do fato de que a Igreja Católica é uma das três denominações reconhecidas na Eritreia. Os outros dois são a Igreja Ortodoxa da Eritréia (EOC) e a Igreja Evangélica Luterana.

Os bispos católicos recentemente escreveram ao governo dizendo que eles queriam justiça para todos os eritreus. No entanto, seus pedidos parecem que não foram ouvidos pois a repressão continuou.

No dia 13 de junho, as forças de segurança prenderam cinco padres ortodoxos, dos quais três tinham mais de 70 anos, do mosteiro de Debre Bizen. Eles foram supostamente detidos por se oporem à interferência do governo nos assuntos da Igreja.

No início deste mês, 30 cristãos clandestinos de uma igreja pentecostal foram presos e, em maio, outros 141 cristãos, a maioria mulheres e crianças, foram detidos. Cerca de 50 desses detidos já foram soltos, enquanto os outros ainda estão na prisão sem acusação formal.

Kravetz acrescentou: “Exorto o governo a permitir que o povo da Eritreia exerça seu direito à liberdade de religião e liberte aqueles que foram aprisionados por suas crenças religiosas”.

Folha Gospel com informações de Christian Today