Quase dois meses depois do terremoto no Haiti –que matou mais de 200 mil– um grande número de pessoas ainda está sem abrigo por causa da demora na distribuição humanitária de tendas e lonas, anunciou na sexta-feira a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF).

O problema afeta a dignidade das vítimas e cria o risco de propagação de doenças na época de chuvas no Haiti, em abril, segundo Colete Gadenne, coordenadora de emergência da entidade no país.

“Estive em acampamentos onde as pessoas não têm absolutamente nada. Elas não receberam lonas ou tendas e nem estavam na lista (para receber)”, disse ela à Reuters. “É chocante e extremamente triste.”

Segundo ela, o MSF irá começar a distribuir abrigos para acelerar o processo. Kirsten Knutson, porta-voz do Ocha (agência de coordenação humanitária da ONU), disse que a entidade pretende distribuir até abril tendas e lonas a todos os 1,2 milhão de desabrigados.

Até agora, segundo ela, só 41% foram atendidos. “Continuamos empurrando as coisas porta afora o mais rápido possível”, afirmou.

EUA e Europa

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou hoje que pretende se encontrar na próxima semana com o presidente haitiano, René Préval, na primeira reunião entre os dois líderes desde o terremoto que devastou o Haiti em 12 de janeiro.

A reunião na Casa Branca está programada para quarta-feira (10), segundo comunicado.

Obama designou os ex-presidentes dos EUA Bill Clinton e George W. Bush para liderarem os esforços para arrecadar doações dos norte-americanos em ajuda humanitária ao Haiti.

A União Europeia já anunciou um plano a longo prazo de auxílio ao Haiti. A comissária da UE para Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Defesa Civil, Kristalina Georgieva, afirmou que a maior parte da ajuda será destinada para as regiões devastadas pelo tremor –como Porto Príncipe, Leógane e Jacmel, entre outras.

Georgieva destacou que outras localidades haitianas continuam sofrendo com problemas básicos como acesso a alimentos e água potável, assistência sanitária e exclusão social.

Ela se reuniu ontem no Haiti com Préval e fez as declarações após um encontro com o ministro dominicano de Economia e Planejamento, Temístocles Montás.

Fonte: Folha Online