Crucifixo com a bandeira da Espanha (Imagem montada)
Crucifixo com a bandeira da Espanha (Imagem montada)

De acordo com o último relatório da Fundação Ferrer i Guardia, intitulado “Feminismo, religiões e liberdade de consciência”, a pandemia de Covid-19 acelerou a perda de religiosidade entre a população na Espanha.

Um fato destacado pela Fundação é que, pela primeira vez, entre os jovens com menos de 34 anos, o número de pessoas que se consideram não religiosas já é maioria.

Entre o grupo de 25 a 34 anos, mais de 56% se identificam como não religiosos, e entre os de 18 a 24 o percentual chega a 63,5%, enquanto entre a população mais velha (acima de 65 anos), 76,5% dos entrevistados se dizem religiosos .

A evolução da religiosidade dos espanhóis nos últimos 40 anos mostra que em 1980, apenas 8,5% da população se identificava como não religiosa, enquanto em 2021 esse número havia subido para 37% da população.

Na divisão por mês, a mudança mais significativa ocorreu de março a abril de 2020, coincidindo com o bloqueio mais severo na Espanha. Em apenas um mês, o número de pessoas que se declaram não religiosas subiu de 29% para 36%.

“Será necessário conhecer a evolução nos próximos anos para determinar se esse aumento é realmente o início de um ciclo progressivo que não foi registrado até agora”, afirmam os autores do relatório.

O catolicismo romano continua sendo a religião predominante (cerca de 59%), embora longe dos números dos anos anteriores. O segundo maior grupo são ateus (14,6%), agnósticos (11,6%) e não religiosos (10,8%), que juntos respondem por 37%.

As denominações minoritárias representam 2,5% da população e pouco mais de 1,5% estão indecisos.

Na análise por regiões, Catalunha e Navarra são os territórios com maior população não religiosa (41% cada) , seguidos do País Basco (37,8%) e das Ilhas Baleares (33,7%).

Em contrapartida, as regiões com menor percentagem de não crentes são Ceuta (3,4%), Melilha (15%) e Aragão (16,6%).

Você pode ler o relatório completo aqui (em espanhol).

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus

Comentários