O “pastor” Gilmar Souza Silva, 33, teve a prisão temporária decretada (30 dias) pelo assassinato da esposa dele, Jéssica da Silva, 16. A jovem estava grávida de quatro meses e foi morta em 22 de março e seu corpo abandonado em uma área de difícil acesso no bairro Coxipó do Ouro, em Cuiabá.

Ela teve o pé direito amputado e um pedaço de madeira cravado no coração.

Gilmar foi preso no bairro Barreiro Branco pela Polícia Militar durante o final de semana. Levado até a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ele confessou que a matou por desconfiar que o filho que ela carregava no ventre não era dele.

Em depoimento ao delegado Henrique Meneguello, adjunto da DHPP, Gilmar disse que matou a mulher com requintes de crueldade porque ela o estava ameaçando de morte por causa de ciúmes. A briga teria começado quando ele estava procurando ouro pela região. Na confusão, a garota teria agarrado o pé de Gilmar e ambos entraram em luta corporal.

A mulher foi espancada e esfaqueada. Por medo de que ela ainda estivesse viva ele cravou u galho no peito dela e resolveu amputar o pé para impedir, caso ela sobrevivesse a surra e aos ferimentos, de andar para pedir ajuda.

Fonte: Jornal Documento