Igreja com poucos fiéis (Imagem representativa)
Igreja com poucos fiéis (Imagem representativa)

De acordo com a última pesquisa da Lifeway Research, embora a maioria das igrejas protestantes tenha retomado os cultos pessoais desde o início da pandemia, os fiéis demoram a retornar.

A pesquisa, que foi conduzida de 1º a 29 de setembro e inclui as respostas de 1.000 pastores protestantes nos Estados Unidos, revelou que cerca de 98 por cento das igrejas protestantes foram reabertas para cultos pessoais. De acordo com o The Christian Post, as descobertas demonstraram uma correspondência próxima aos níveis pré-pandêmicos.

A frequência nas igrejas, no entanto, ainda está muito longe do que era antes da pandemia. Em comparação com os números de janeiro de 2020, 13 por cento das igrejas relataram atrair menos de 50 por cento de sua participação pré-COVID em agosto.

Outros 35 por cento relataram ter 50-70 por cento de sua frequência pré-COVID, e outros 30 por cento relataram níveis de frequência de 70-90 por cento.

Cerca de uma em cada oito igrejas relatou níveis de frequência entre 90 e 100 por cento, e nove por cento disseram que, em agosto, seus níveis de frequência ultrapassaram os níveis pré-pandêmicos.

“Muitos pastores e líderes da igreja estão ansiosos para que toda a congregação se reúna fisicamente”, disse Scott McConnell, diretor executivo da Lifeway Research, em um comunicado.

“A frequência à adoração está melhorando, mas ainda há uma grande lacuna entre a frequência presencial de hoje e os níveis pré-COVID”, acrescentou ele.

A pesquisa Lifeway Research também relatou uma disparidade entre as igrejas brancas e negras, já que os pastores negros tinham 12,5 vezes mais probabilidade do que os pastores brancos de relatar que seus níveis de frequência eram menos de 30% do que era antes da pandemia.

“O caminho de cada igreja foi diferente durante a pandemia, e cada estágio de retomada de aspectos específicos do ministério é significativo”, explicou McConnell.

Enquanto isso, 73 por cento dos pastores disseram que seus níveis de atendimento presencial em agosto eram de menos de 100 pessoas. Daqueles que relataram ter menos de 100 participantes, 40 por cento disseram que menos de 50 pessoas iam à igreja a cada fim de semana. Além disso, menos de seis por cento dos pastores notaram que 250 ou mais pessoas estavam participando dos cultos pessoais da igreja.

Outra descoberta significativa é que as igrejas menores tiveram uma vantagem sobre as igrejas maiores quando se tratou de recuperar os níveis de frequência.

“A maioria das igrejas pequenas ainda não voltou ao atendimento pré-pandemia, mas muitas delas estão chegando a esse ponto mais do que as igrejas maiores”, disse McConnell. “É possível que as igrejas pequenas sejam auxiliadas pela segurança percebida de uma reunião naturalmente menor, diferenças nas opções de tecnologia para reuniões online ou pela força das conexões relacionais. Mas, independentemente das razões pelas quais, as tendências de frequência ao culto atualmente parecem promissoras para as igrejas pequenas.”

Folha Gospel com informações de Christian Headlines