No sábado, 23, foi ao ar o programa de televisão “Bíblia e Sociedade”, produzido pela Sociedade Bíblica do México (SBM) no Canal 40 da Televisão Azteca.

Depois das palavras de abertura de seu diretor, o pastor presbiteriano Abner López, foi inaugurado o programa de caráter promocional sobre a natureza, história e atividades da SBM.

López sublinhou o valor da Bíblia para a formação e a consolidação dos valores cívicos, éticos e morais, convidando os telespectadores a lerem as Sagradas Escrituras para encontrar nelas respostas aos problemas atuais.

Em seguida foi apresentado um resumo da história e características do trabalho das Sociedades Bíblicas Unidas, destacando os princípios e políticas que regem a ação deste organismo em nível mundial, com o propósito de difundir e distribuir textos bíblicos nos diferentes idiomas.

Uma psicoterapeuta convidada para participar do programa falou dos benefícios da leitura para o crescimento pessoal. Ela sublinhou que na livraria da SBM podem ser encontrados diversos textos para superar as dificuldades ocasionadas pela escassa aproximação com os livros. As tomadas de câmara enfocaram alguns dos materiais disponíveis na livraria.

O programa incluiu a promoção de alguns produtos, a exemplo do lançamento do filme baseada no livro de Rute, bem como alguns textos que ressaltaram a importância da Palavra de Deus para a vida. Foi notável a referência ao “neopaganismo”, apresentado como um dos problemas que afligem a sociedade, embora o significado do conceito não tenha sido bem esclarecido.

Na segunda parte do programa apareceu o senador chiapaneco pelo Partido da Revolução Democrática e presidente da Comissão de Limites das Entidades Federativas, Rubén F. Velázquez, que ressaltou a necessidade de a classe governante ler as Sagradas Escrituras para realizar melhor sua tarefa.

Foram notórias certas falhas de ortografia nos textos apresentados, além do nervosismo de alguns participantes. O tom dos textos não escondeu a fraseologia religiosa habitual, sobretudo na repetição da frase: “a Palavra de Deus”.

Também teve uma menção, pouco didática, do Reino de Deus, ao não proporcionar o contexto para explicar seu uso. O desenho gráfico obedeceu a um padrão convencional, como se procurasse alcançar uma familiaridade acessível para a maioria dos telespectadores.

Desse modo transcorreu o primeiro programa da SBM, fato inédito na televisão mexicana. Espera-se que as próximas emissões atinjam um perfil mais ágil, sólido e propositivo.

Fonte: ALC