Culto em Burkina Faso
Culto em Burkina Faso

Terroristas mataram 24 pessoas e feriram 18 em um ataque a uma igreja protestante em uma vila, no norte de Burkina Faso, onde jihadistas frequentemente atacam cristãos.

Um grupo de terroristas armados invadiu a vila de Pansi, na província de Yagha “e atacou a população local, depois de identificar os moradores e separá-los dos não residentes”, disse o governador, coronel Salfo Kabore, em comunicado.

O ataque ocorreu no último domingo (16), durante um culto semanal em uma igreja protestante, disseram autoridades de segurança.

“O número provisório é de 24 mortos, incluindo o pastor… 18 feridos e indivíduos que foram sequestrados”, disse Kabore.

Um morador da cidade vizinha de Sebba disse que os moradores de Pansi fugiram para lá por segurança.

Tanto cristãos como muçulmanos foram mortos antes que a igreja fosse incendiada, disse um funcionário do governo em Dori, que falou sob condição de anonimato, porque não estava autorizado a falar com a mídia.

O prefeito da comuna de Boundore, Sihanri Osangola Brigadie, disse que cerca de 20 agressores separavam homens de mulheres, próximo a uma igreja protestante. Pelo menos 18 outras pessoas ficaram feridas.

“Me machucou quando vi as pessoas”, disse Brigadie, depois de visitar algumas das vítimas no hospital na cidade de Dori, a 160 quilômetros do ataque. Os terroristas saquearam petróleo e arroz das lojas e forçaram os três jovens que sequestraram a ajudar a transportá-lo em suas motos, disse ele.

Cristãos e igrejas nas províncias do norte tornaram-se alvos frequentes de radicais islâmicos armados.

Contexto

Em 10 de fevereiro, jihadistas em Sebba sequestraram sete pessoas na casa de um pastor. Cinco corpos foram encontrados três dias depois, incluindo o pastor, de acordo com o governador local.

Sendo um dos países mais pobres do mundo, Burkina Faso está na linha de frente de uma insurgência jihadista que avança no Sahel.

Desde 2015, cerca de 750 pessoas foram mortas em Burkina e cerca de 600.000 pessoas fugiram de suas casas.

Também no norte do país, cinco soldados foram mortos no domingo, quando seu veículo explodiu perto de Banh, na província de Loroum, disseram fontes de segurança.

“Três dos cinco foram mortos instantaneamente e os outros dois morreram depois de ferimentos graves”, disse uma das fontes.

30 pessoas em Burkina Faso morreram em quatro ataques por bombas nas rodovias desde o início do ano, segundo um número divulgado.

Eles incluem sete crianças em idade escolar no noroeste do país, que estavam entre os 14 mortos a bordo de um ônibus que passava por uma estrada que havia sido proibida por causa de seu alto risco com relação a ataques.

Segundo dados da ONU, ataques jihadistas em Burkina Faso, Mali e Níger (países vizinhos) deixaram quase 4.000 pessoas mortas no ano passado.

Suas forças armadas são não conseguem combater com eficiência os jihadistas e estão lutando com equipamentos ruins, além de sofrerem com a falta de treinamento e financiamento.

No Níger, um policial foi morto no domingo em um posto policial perto de Ayorou, na região oeste de Tillaberi, no segundo ataque na área em uma semana, disse um oficial de segurança.

Fonte: Guia-me com informações de Daily Mail