Confesso que pensei duas vezes em escrever essa coluna. Afinal de contas, não considero Xuxa atriz e muito menos cantora.

Você pode até argumentar que ela já ganhou até um Grammy latino, mas venhamos e convenhamos, o prêmio deveria ir mesmo para os produtores que graças ao “Pro-tools” e outros recursos avançados de gravação conseguiram fazer aquela voz de cabrita afinar um pouco. E seus filmes, bem, o conjunto da “obra” fala por si.

Mas, achei tão interessante saber do processo movido pela estrela Global contra a Igreja de Edir Macedo, que resolvi abrir uma exceção á minha costumeira intolerância à citada apresentadora.

O tal processo, noticiado [url=http://www.folhagospel.com/htdocs/modules/news/article.php?storyid=9634]aqui[/url] no FolhaGospel, surgiu por conta de uma matéria do jornal Folha Universal que fez menção a um suposto “pacto com o Diabo” que Xuxa teria feito e daí o seu sucesso estrondoso. Claro que a apresentadora não gostou e soltou os “cachorros”, leia-se “advogados”, para cima da Igreja Universal.

Qualquer figura que faça sucesso no Brasil acaba sendo vítima de teorias esdrúxulas como essa. Se for homem e bonitão, vão logo questionando sua masculinidade, se for mulher, tem moral duvidosa ou tem um caso com o diretor, se for político é ladrão e por aí vai. Fazer sucesso no Brasil é quase um pecado capital.

Da mesma forma, lendas urbanas envolvendo nomes de gente famosa também são lugar-comum em todas as épocas. Quem não se lembra da estória das mensagens ocultas em discos de rock, da caveira dentro dos bonecos do Fofão, daquela estória do “Hello Kitty”, ou dos produtos “Procter & Gamble”? sempre aparece alguém para formular essas “teorias da conspiração”, que na maior parte das vezes não passam de pura bobagem.

Se bem que Xuxa desde muito tempo tem dado munição para o povo desocupado que inventa essas tolices. Aquela estória de acreditar em duendes, realmente é ridícula. Uma pessoa com a projeção que ela tem sair por aí dizendo essas idiotices chega a ser irresponsável, especialmente em se tratando de uma apresentadora de programa infantil. Mas, daí a dizer que existe um pacto demoníaco, já é bem diferente. Na verdade a reportagem da Folha Universal não acusa Xuxa diretamente. Apenas retrata o Pastor Josué Yrion, que em uma série de mensagens, afirma ter provas do tal pacto. Xuxa, a meu ver tinha que estar processando o tal Pastor e não o jornal. Aí então, na justiça veremos se as provas que o pastore Josué afirma ter são suficientes para corroborar as acusações.

Por mais que ache Xuxa medíocre, não posso deixar de louvar seus projetos sociais que tem ajudado muita gente. Acho também muito bonita sua atitude para com crianças com necessidades especiais, a quem a apresentadora sempre demonstra muito carinho e atenção. Sua vida pessoal possivelmente não serve de exemplo para quem segue a doutrina Cristã, mas ao invés de promover ódio e intolerância, deveríamos estar demonstrando por ela o mesmo amor que Cristo teve por nós quando ainda estávamos perdidos.

Além do processo contra a Universal, Xuxa também pediu reparação por danos morais contra a rede Bandeirantes que exibiu em uma reportagem, fotos suas da época em que posava para revistas masculinas. Aí também já é demais. Não dá para negar o passado e tapar o sol com a peneira, Xuxa.

Para qualquer pessoa que teve sua vida transformada pelo amor de Cristo, passado nunca envergonha; por pior que ele seja é mais uma prova do amor de Deus e da sua graça ilimitada. E talvez seja justamente isso o que falta para Xuxa, com pacto ou sem pacto.

Um abraço,

Leon Neto