Apesar do cessar-fogo oficial, o longo conflito interno do país se intensifica. Nas últimas duas semanas, 136 mil pessoas abandonaram suas casas em busca de proteção nos campos de refugiados.

Entre esses deslocados estão pelo menos 83 famílias cristãs e oito missionários da agência Gospel for Asia (GFA).

Durante os 15 últimos meses, quatro mil pessoas morreram no conflito entre o governo do Sri Lanka e o grupo insurgente Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE, sigla em inglês). Os civis são frequentemente pegos em meio ao conflito, enquanto homens-bomba, minas e bombardeios são formas de ataque comuns e indiscriminadas. Ilustrando a piora da situação, pela primeira vez o LTTE lançou um ataque aéreo contra o aeroporto do governo no dia 26 de março, matando três aviadores e ferindo outros 16.

A possibilidade de uma resolução pacífica para a situação para não existir. A rede de notícias BBC citou o porta-voz do governo brigadeiro Prasad Samarasin, que teria dito: “Não temos outra opção a não ser intensificar nossas operações para silenciar suas armas”.

Nos últimos seis meses, o governo evacuou várias áreas seguras dos tigres tamis em Batticaloa. A luta forçou milhares de pessoas a deixar suas casas e plantações para procurar abrigo nas áreas dirigidas pelo governo. Entretanto, não há comida, moradia ou saneamento suficientes para os deslocados, cujo número é estimado em mais de 160 mil.

O povo cingalês ainda está se recuperando do tsunami que afetou o leste do país em dezembro de 2004. Para muitos cidadãos, a vida que eles reconstruíram foi deixada para trás quando tiveram de fugir.

O líder da GFA no Sri Lanka, Lal Vanderwall, afirma que as 83 famílias e oito pastores que foram deslocados vêem uma oportunidade de compartilhar a esperança que têm em Cristo com os outros refugiados. Enquanto enfrentam os mesmos perigos e desconforto que os demais, eles confiam que o Senhor trabalha em meio a esse pesadelo.

Lal Vanderwall pede orações para que o Senhor guarde as vidas de todos os refugiados e leve muitos à salvação.

Fonte: Portas Abertas