O pastor Rajendra Chauhan e o líder eclesiástico Subhash Patel, da igreja Prabhu Yeshu Sewa Samiti (Grupo de Ação Social do Senhor Jesus), presos em 25 de março, foram soltos sob fiança no dia 29 último, por volta das 19 horas.

De acordo com o pastor Rajendra, no momento da prisão, ele e Subhash foram agredidos por membros armados dos grupos fundamentalistas hindus Bajrang Dal e Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) na própria delegacia, enquanto os policiais permaneciam como meros espectadores. Alguns policiais se juntaram aos agressores.

Na delegacia, após a prisão, a polícia torturou o pastor Rajendra, ferindo-lhe as pernas, a cabeça acima das orelhas e o rosto. Ele aparentava sentir dores quando falava com a Portas Abertas, afirmando que estava com problemas para ouvir. Ele apresentava falta de sensação no ouvido após a tortura.

Tanto o pastor Rajendra quanto Patel foram agredidos brutalmente dentro da prisão. As autoridades zombaram do pastor e o interrogaram acerca de sua associação com o trabalho missionário e com qualquer igreja ou organização missionária a que estivesse ligado. Eles também fizeram perguntas a respeito de suas finanças de um modo depreciativo e acusatório.

Os dois cristãos foram agredidos novamente por extremistas hindus da RSS na presença da polícia quando foram levados à corte.

Temores confirmados

Na igreja, os agressores saquearam a dinheiro da oferta que havia sido coletado. De acordo com Rajendra, eles foram à casa dele no mesmo dia, agrediram seus parentes e furtaram dinheiro. Os cristãos da região estão aterrorizados. A mídia regional se colocou contra Rajendra e a minúscula comunidade cristã que vive em Jaunpur e arredores.

Rajendra encontrou abrigo na casa de um pastor nas proximidades da cidade de Benaras, depois que a polícia e extremistas o ameaçaram de morte. Ele disse que se os extremistas hindus continuarem a agir em Jaunpur com a cumplicidade da polícia, seria difícil para ele retornar. Ele se sente desencorajado. Sua fé na sistema judiciário está enfraquecida. Mas ele insiste que a igreja Prabhu Yeshu Sewa Samiti precisa continuar crescendo.

A situação na região continua tensa. Os temores dos cristãos de que acontecessem mais ataques se cumpriram no dia 1º de abril, quando fiéis que voltavam da igreja foram atacados e agredidos mais uma vez.

A Portas Abertas contatou a Comissão de Direitos Humanos e a Comissão de Minorias para conseguir ajuda para as vítimas.

Fonte: Portas Abertas