No dia 15 de janeiro houve uma invasão a uma casa particular no noroeste do Uzbequistão enquanto 18 protestantes se reuniam. Entre eles estava Salauat Serikbayev que responde a processo criminal por ensinar ilegalmente a religião na Corte de Nukus, capital do Karakalpaquistão – uma república autônoma que proíbe atividades religiosas de não-muçulmanos e não-ortodoxos.

O julgamento dele está marcado para o dia 24 de abril e Salauat pode ser condenado à pena máxima de três anos de prisão. O dono da casa, Grigory Ten, foi multado pela Corte em quase 500 dólares no dia 9 de abril e seu hinário foi confiscado.

Na cidade de Andijan, três membros da igreja de Dmitry Shestakov – preso em 9 de março (leia mais) – também irão a julgamento. Em Samarkand a polícia retirou um cartaz sobre o culto da Páscoa protestante. Muitos protestantes conhecidos estão recebendo ameaças de morte e a filha de um pastor ficou traumatizada depois de ter sido seqüestrada por um jovem desconhecido.

Testemunhas de Jeová informaram que cinco de suas reuniões comemorativas em homenagem à morte de Cristo foram invadidas neste ano. O Comitê para Assuntos Religiosos, contatado pelo Fórum 18, desmentiu todos esses relatos e disse tratar-se de “falsa informação”.

Salauat Serikbayev tem 32 anos e há tempos vem sofrendo perseguições por suas atividades cristãs. Em 1999, ele passou quatro meses preso e no último ano foi multado. Ele vem sendo continuamente alertado, ameaçado e perturbado. A última ocorrência do gênero partiu do próprio comitê local, que iniciou procedimentos para retirar o seguro social de sua esposa e de seus cinco filhos, o que inclui cuidados médicos para as crianças.

Como resultado da invasão a esta residência particular, dez pessoas foram indiciadas sob diversas acusações de envolvimento em atividades religiosas com base no Código Administrativo de Ofensas.

No dia 9 de abril a Corte Criminal considerou Grigory Ten culpado por “produção ilegal, arquivamento, importação e distribuição de material religioso”, além de “violação das leis de organização religiosa”. Ele foi obrigado a pagar uma multa de quase 500 dólares e foi chamado como testemunha no caso contra Salauat.

Os protestantes da cidade de Andijan, no vale Fergana, denunciaram a ação preparada contra os membros da congregação do Evangelho Pentescostal, de Dmitry Shestakov. “Eles estão tentando acabar com a igreja de Dmitry chamando membros de outras igrejas oficiais para acusá-los e responsabilizá-los legalmente”, disse ao Fórum 18 uma fonte que preferiu não se identificar.

As autoridades uzbeques continuam a oprimir organizações não-governamentais que tenham qualquer vínculo com comunidades religiosas. O ministro da Justiça em Tashkent disse à agência de notícias russa “Interfax” que a equipe da ONG Amizade e Esperança Internacional – que conduz um trabalho humanitário na região desde 19995 – foi flagrada em atividades de proselitismo. Em desobediência a leis internacionais de direitos humanos, o Uzbequistão proibiu que estrangeiros e moradores locais professassem outra religião que não a oficial.

Fonte: Portas Abertas