As enfermeiras foram presas e acusadas de blasfêmia, no Paquistão. (Foto: Reprodução / ICC)
As enfermeiras foram presas e acusadas de blasfêmia, no Paquistão. (Foto: Reprodução / ICC)

Duas enfermeiras cristãs no Paquistão foram presas e formalmente acusadas de cometer blasfêmia contra o Islã. Elas foram denunciadas ​​por um colega muçulmano de profanar tapeçarias de parede que continham versos do Alcorão.

Em 9 de abril, Mariyum Lal e Newsh Arooj, que trabalhavam no Hospital Civil de Faisalabad, foram falsamente acusadas de cometer blasfêmia. Fontes locais relatam que as duas foram orientadas por um veterano, Rukhsana, para remover velhas tapeçarias e adesivos da ala psiquiátrica.

Rukhsana, que supostamente guarda rancor de Lal, provocou outros funcionários muçulmanos no Hospital Civil ao alegar que Lal profanou tapeçarias de parede que continham versos do Alcorão.

Muhammad Waqas, um vigia muçulmano no hospital, confessou ter atacado Lal com uma faca depois de saber da acusação de blasfêmia. Os líderes cristãos estão exigindo que Waqas seja preso e punido pelo ataque.

A alegação de falsa blasfêmia contra as enfermeiras logo se espalhou para a comunidade em geral e uma multidão de muçulmanos enfurecidos fez um protesto em frente ao Hospital Civil. Integrantes da multidão exigiram que Lal fosse presa e enforcada por cometer blasfêmia.

A polícia registrou um primeiro relatório de informação (FIR # 347/21) em conexão com a alegação de blasfêmia. De acordo com a FIR, Mariyum Lal e Newsh Arooj são acusadas ​​de violar as leis de blasfêmia do Paquistão de acordo com a Seção 295-B.

No Paquistão, falsas acusações de blasfêmia são generalizadas e frequentemente motivadas por vinganças pessoais ou ódio religioso. As acusações são altamente inflamatórias e têm o potencial de desencadear linchamentos, assassinatos de vigilantes e protestos em massa.

Fonte: Guia-me