Uma pesquisa sobre ética e corrupção realizada pelo Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília (UnB) apontou que 41% admitiram que recorreriam à propina para ter atendido um pedido feito à administração pública.

Outros 50,3% das pessoas disseram que contratariam parentes se fossem servidores públicos ou políticos.

A pesquisa foi feita a partir de um pedido da Comissão de Ética da Presidência da República e entrevistou duas mil pessoas em todo o Brasil. O estudo também indicou que 78% dos entrevistados já deixaram de seguir a lei, e que 42% não tiveram medo de ser punidos ao descumprir a legislação. Entre as razões apontadas para o descumprimento da lei estão a discordância da legislação (25,7%) e o fato de os entrevistados acharem a lei confusa (19,2%).

O questionário também abrangeu perguntas sobre o serviço público. Na opinião de 42,4% dos entrevistados, os servidores atuam para agradar os políticos que os indicaram, para beneficiar os amigos e para agradar a si mesmo ou à sua família.

Além disso, quase 58% consideram o serviço público amador ou semi-profissional, e 49,7% acham que os servidores públicos não estão preparados para o seu trabalho. A Comissão de Ética informou que ainda está analisando os resultados da pesquisa.

Fonte: Agência Brasil