Igreja Evangélica Luterana Martin Luther, em SP, destruída após desabamento de prédio em 1º de maio de 2018
Igreja Evangélica Luterana Martin Luther, em SP, destruída após desabamento de prédio em 1º de maio de 2018

Por Kleber Tomaz, G1 SP — São Paulo

Quase um ano depois da queda do Edifício Wilton Paes de Almeida, no Centro de São Paulo, a igreja evangélica luterana atingida pelos destroços começou a ser reconstruída em 27 de março.

A Igreja Martin Luther teve 80% de sua estrutura destruída pelo desabamento do prédio vizinho na madrugada de 1º de maio de 2018. O edifício que caiu era ocupado irregularmente. Um curto-circuito em um dos andares provocou o incêndio, que depois colocou os 24 andares no chão.

Sete moradores morreram e outros dois continuam desaparecidos. Na igreja, só havia um casal de zeladores, que escapou com vida ao fugir pelos escombros.

A previsão é que a obra de reconstrução, que custará R$ 4 milhões, seja concluída em um ano. O pastor Frederico Ludwig disse ao G1 que pretende entrar com uma ação judicial de indenização contra o governo federal, dono do prédio que caiu, para pedir ressarcimento do dinheiro que será gasto.

“Vamos pedir indenização do prejuízo que a gente teve”, disse o pastor Ludwig. A reportagem não conseguiu localizar os responsáveis pelo edifício para comentar o assunto.

Com o impacto da queda do prédio, o teto da igreja desabou também, caindo sobre o altar, atingindo e destruindo bancos onde os fiéis oravam.

Um piano também foi danificado. Um órgão de tubos alemão, avaliado em R$ 1 milhão e que estava no mezanino teve pequenas avarias. Por segurança o instrumento musical foi desmontado e só será devolvido ao local após a conclusão da reconstrução da igreja.

“Havia periodicamente concertos, corais, concertos de órgão. Maiores organistas do mundo já estiveram aqui tocando”, diz o pastor.

Fundada em 1908 em estilo neogótico, a igreja luterana era considerada um bem cultural e arquitetônico de São Paulo, sendo tombada pelo patrimônio histórico estadual e municipal, segundo o pastor. Por esse motivo, precisou esperar a autorização dos órgãos competentes para poder começar a reconstrução.

Com 30% do valor total para a reconstrução arrecado, algo em torno de R$ 1,7 milhão, a igreja deu início a primeira das quatro fases das obras. O dinheiro foi obtido por meio do seguro do imóvel e de doações.

A primeira etapa consiste no reforço das fundações, reconstrução da parede lateral, do telhado e do forro, moldura dos vitrais e amarração do altar.

No altar está escrito em gótico “senhor tu tens sido nosso refúgio de geração em geração”. Segundo o pastor, essa mensagem, que extraída do salmo 90 versículo 20 da bíblia, tem dado força aos 1.500 fiéis.

Nas demais etapas, estão previstas revisão da estrutura da torre e reconstrução dos vitrais, bancos e lustres e demais itens da igreja.

“Tinha aqueles vitrais. Que foram feitos por um dos maiores vitralistas do brasil, que era Conrado Sorgenicht, o mesmo que fez o Theatro Municipal, o Mercado Público Municipal”, lamenta Ludwig.

Enquanto a reconstrução não é finalizada os cultos são realizados desde julho do ano passado nos fundos da igreja. Uma área coberta onde foi improvisado um altar.

Os fieis assistem tudo em cadeiras de plástico. “Mas não perderam a fé”, disse o pastor, que pretende realizar outro culto na manhã desta quarta-feira (1º), quando a tragédia completa um ano. “Será para homenagear os mortos do edifício”.

Fonte: G1