O bispo da Igreja Luterana Salvadorenha, Medardo Gómez, disse que a produção do etanol como combustível, baseada na cultura do milho e da cana-de-açúcar, terá impacto negativo sobre a economia familiar. Por isso, a igreja se opõe à proposta, justificou.

Depois da visita do presidente dos Estados Unidos, George Walker Bush ao Brasil, América Central e México, em março, o governo salvadorenho propôs que o país seja sede do projeto piloto de produção de etanol. A proposta encontrou oposição em diferentes setores da sociedade, mesmo com a elevação do preço do combustível a base de petróleo.

O ministro das Relações Exteriores, Francisco Laínez, informou que o país assinou convênio de cooperação no desenvolvimento de biocombustíveis com os Estados Unidos e o Brasil. O convênio prevê a instalação de uma planta na América Central e outra no Caribe.

Segundo Laínez, tanto o Brasil como os Estados Unidos enviarão nos próximos dias assistência técnica e capacitação para a instalação da planta.

“Sendo El Salvador um país pequeno, pobre e desprovido de florestas, não entendemos como o governo se compromete a impulsionar medidas que de antemão são daninhas para o país”, questionou Gómez.

“Opomo-nos a que países desenvolvidos sigam nos ordenando o que fazer e lamentamos que, como país, não tenhamos um plano de Nação que nos oriente”, afirmou.

Fonte: ALC