incêndio em igreja na Luisiana, nos Estados Unidos
incêndio em igreja na Luisiana, nos Estados Unidos

Giovanna Orlando, do R7

Três igrejas, frequentadas majoritariamente por negros, foram queimadas na Luisiana, nos Estados Unidos. As autoridades locais estão investigando as causas dos incêndios e as “circunstâncias suspeitas”, que apontam para conexões entre os três incidentes.

O primeiro incêndio aconteceu no dia 26 de março, na Igreja de Santa Maria Batista, reduzindo o local a uma pilha de cinzas. A Igreja da Grande União queimou na última terça-feira (1) e a última, a Igreja Batista de Monte Agradável, queimou na madrugada de quinta-feira (4). Todas estão localizadas em Opelousas, na Luisiana.

O reverendo Gerald Toussaint, da Igreja Batista de Monte Agradável estava indo ao trabalho às 4h45 da manhã quando recebeu um telefonema da esposa contando sobre o incêndio.

A igreja foi construída no século 19 e havia passado por uma reforma completa há dois anos atrás. Agora, pouco restou da igreja atém de uma parede de tijolos e o corredor de entrada.

“Eu estou tentando descobrir quem fez isso, porquê e se tem algo a ver comigo”, contou o reverendo. Ele disse que não quer especular os motivos por trás do crime, por medo de irritar o criminoso ou incentivar algum copiador.

O Marechal dos Bombeiros, H. Browning, disse em comunicado oficial que os incêndios são suspeitos. “Não sabemos ainda o que causou os incêndios e nem sabemos se eles estão relacionados”, informou. Porém, as teorias de que os casos estão ligados e que os incêndios são criminosos e intencionais não foram descartadas.

“Claramente algo está acontecendo nesta comunidade”, supôs Browning. “E por isso, é imperativo que cidadãos da comunidade façam parte dos nossos esforços para entender o que é”, concluiu.

As autoridades também estão investigando um incêndio em uma quarta igreja, dessa vez em uma área majoritariamente branca, a 300 quilômetros de distância dos outros 3 incêndios.

O governador John Bel Edwards pediu para os moradores da região ajudarem nas investigações. “Nossas igrejas são sagradas, parte central da nossa comunidade e todos deveriam se sentir seguros em seu lugar de louvor”, disse em comunicado.

“Nós não sabemos a causa dos incêndios em St. Landry e em Caddo, mas meu coração está em cada uma das congregações e com todos que chamam essas igrejas de lar”, concluiu.

Desde os anos 1950, igrejas negras na região sul dos Estados Unidos foram alvo de inúmeros ataques racistas, como incêndios, bombas e invasões armadas. Entre os crimes mais violentos e conhecidos, está o caso de um supremacista branco que invadiu uma igreja em Charleston e matou 9 pessoas durante uma sessão de estudo bíblico.

Segundo Browning, as três igrejas negras queimadas são consideradas cenas de crime. “Essa é uma das mais complicadas e não convencionais cenas de crime que você já entrou porque a maior parte da evidência está queimada”, disse.

O FBI e o Departamento de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos estão ajudando nas investigações. O xerife garantiu que as autoridades estão fazendo tudo o que podem para identificar as causas dos incêndios.

O policiamento em ambientes religiosos cresceu desde os crimes.

Fonte: R7