Por serem mais vulneráveis perante a sociedade, as mulheres e meninas cristãs estão mais propícias à perseguição
Por serem mais vulneráveis perante a sociedade, as mulheres e meninas cristãs estão mais propícias à perseguição

Aysha (pseudônimo), uma jovem cristã ex-muçulmana da Ásia Central, vem recebendo diversas ameaças de muçulmanos locais e líderes islâmicos por causa de seu ministério. A jovem trabalha com mulheres muçulmanas, principalmente refugiadas do Afeganistão e de outros países islâmicos.

“Eu sempre soube em meu coração que meu ministério era com mulheres necessitadas do mundo islâmico. Há cinco anos, participei do treinamento da Portas Abertas sobre ministérios com pessoas de países islâmicos. Na mesma época, li o livro ‘O ramo quebrado de Abraão’. Tudo o que aprendi me levou à decisão de dedicar minha vida ao ministério de mulheres necessitadas em locais onde o islamismo é muito forte”, diz Aysha sobre seu trabalho.

Por conta disso, Aysha deixou os amigos e a família. A jovem saiu de sua cidade e foi para outro país da Ásia Central servir como missionária entre mulheres muçulmanas locais e refugiadas afegãs.

De acordo com Aysha, há muitas mulheres e jovens necessitadas no novo lugar onde vive. “Não posso mudar vidas, mas posso compartilhar o amor de Deus e contar a elas sobre a esperança que há em Jesus”, compartilhou.

Fonte: Portas Abertas