No final da tarde da última quarta-feira (6), os apoiadores de Donald Trump participaram de um comício “Stop the Steal”, que se transformou em um motim violento, invadindo o edifício do Capitólio dos EUA, em Washington (D.C.), impedindo a certificação de Joe Biden como o próximo presidente dos Estados Unidos.

Segundo a Associated Press, pelo menos uma pessoa foi baleada, cinco armas foram recuperadas e 13 pessoas foram presas. A polícia, com o equipamento de choque completo, usou gás lacrimogêneo e granadas de efeito moral para expulsar as pessoas do prédio do Capitólio e dos arredores. Em vista da situação caótica, o prefeito Muriel Bowser declarou às 18h toque de recolher para a cidade.

Em meio ao levante, muitos líderes religiosos tomaram posições firmes, condenando as ações violentas dos manifestantes.

O presidente do Seminário Teológico Batista do Sul, Albert Mohler, condenou as ações, chamando-as de “anarquia desencadeada”.

“O que estamos vendo em Washington agora é a refutação de nosso compromisso americano, uma forma de anarquia desencadeada que é inimiga da liberdade ordenada, e o presidente Trump é responsável agora por desencadear o caos. Ore para que Deus o resgate disso”, postou o líder cristão no Twitter.

O presidente da Convenção Batista do Sul, J.D. Greear, pediu ao presidente Trump que condenasse a violência.

“Transições pacíficas de poder marcaram nossa República desde o início. Isto é parte da postura de honrar e se submeter aos líderes ordenados por Deus, quer eles sejam nossa escolha ou não. Precisamos de você, @POTUS, para condenar essa multidão. Vamos seguir em frente juntos. Orando por segurança”, postou ele, também em seu perfil do Twitter.

O pastor da Igreja Saddleback, Rick Warren, ecoou os mesmos sentimentos de Mohler e Greear, chamando o protesto de “anarquia”.

“A violação armada da segurança do Capitólio por trás de uma bandeira confederada é anarquia, é antiamericano, traição criminosa e terrorismo doméstico. O presidente Trump deve dizer claramente a seus partidários: ‘Perdemos. Vão para casa agora’”, postou.

Em um tweet de acompanhamento, Warren ofereceu uma visão bíblica sobre o que significa ser um líder piedoso.

“Aqui está o que Deus diz:‘ Quando o líder está preocupado com a justiça, a nação será forte, mas quando ele estiver preocupado apenas com dinheiro, arruinará seu país. ’Provérbios 29: 4”, escreveu.

O presidente do Conselho de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, Russel Moore, também condenou os ataques, chamando-os de “imorais, injustos, perigosos e indesculpáveis”.

“Este ataque da multidão ao nosso Capitólio e à nossa Constituição é imoral, injusto, perigoso e indesculpável. O que aconteceu ao nosso país é trágico e poderia ter sido evitado”, escreveu.

Ele então chamou o presidente Trump por escrito: “Presidente @realDonaldTrump, você tem a responsabilidade moral de convocar essa multidão para parar com essa anarquia perigosa e anticonstitucional. Por favor, faça isso”.

O autor e pastor da Oak Hills Church, Max Lucado, que também expressou repulsa pelos ataques, ofereceu suas orações sobre a situação.

“Profundamente perturbado pelo caos de hoje em DC. Unindo-se a todos que estão orando por um retorno à tranquilidade e paz”, publicou.

O evangelista Franklin Graham também expressou sua tristeza em ver o cenário caótico no Capitólio. Em uma publicação em sua página do Facebook, o pastor também pediu orações pelo momento crítico que os EUA estão vivendo.

“Estou profundamente triste com o que aconteceu hoje na capital do nosso país. Nosso país está em apuros. Precisamos da cura de Deus e da ajuda de Deus. Ore pela paz e pela proteção de nossa nação. Vamos ficar juntos, de joelhos”, destacou.

Palavras de Trump

No início da noite de quarta-feira, o presidente Donald Trump emitiu uma declaração aos manifestantes de que os ama, mas que eles precisam ir para casa.

“Eu conheço sua dor. Eu sei que vocês estão machucados. Tivemos uma eleição que foi roubada de nós. Foi uma eleição esmagadora e todos sabem disso, especialmente o outro lado, mas vocês têm que ir para casa agora. Temos que ter paz”, disse ele.

“Precisamos ter lei e ordem. Temos que respeitar nosso grande povo na lei e na ordem. Não queremos que ninguém se machuque. É um período difícil. Nunca houve um momento como este em que tal coisa aconteceu, em que eles podem tirar isso de todos nós… de mim, de vocês, do nosso país. Esta foi uma eleição fraudulenta, mas não podemos fazer o jogo dessas pessoas. Precisamos ter paz. Então, vão para casa. Nós amamos vocês, são muito especiais […] mas vá para casa”, acrescentou.

Fonte: Guia-me com informações de Christian Headline