Igreja Católica atingida por bomba em Mianmar
Igreja Católica atingida por bomba em Mianmar

As forças de segurança de Mianmar bombardearam uma catedral católica no nordeste do estado de Shan pela segunda vez em cinco meses enquanto continuam a lutar contra as milícias locais, visando igrejas católicas e conventos e desalojando mais de 10.000 pessoas.

Os militares dispararam artilharia pesada contra a Catedral do Sagrado Coração de Jesus na Diocese de Pekhon na última terça-feira, dias depois de bombardear o convento das Irmãs de Zetaman, que fica em um santuário mariano, informou o Catholic News Service .

O bombardeio danificou as janelas e bancos, mas nenhuma vítima foi relatada.

As forças de segurança intensificaram sua ofensiva contra as forças combinadas do exército Karenni e da Força de Defesa do Povo Karenni em 2 de novembro e mais de 10.000 pessoas foram deslocadas do município de Pekhon.

“Foi uma luta intensa, então a maioria das pessoas fugiu de suas casas para áreas seguras”, disse uma assistente social católica ao Union of Catholic Asia News.

A fonte acrescentou que a igreja não é capaz de atender às necessidades dos deslocados devido aos combates, o que também fez com que os trabalhadores humanitários fugissem.

A catedral também foi atingida por tiros de artilharia em junho.

Os cristãos representam pouco mais de 7% da nação de maioria budista. Anteriormente conhecido como Birmânia, o país é o lar da guerra civil mais longa do mundo, que começou em 1948.

As minorias étnicas de Mianmar, incluindo cristãos, vivem em várias zonas de conflito nas fronteiras do país com a Tailândia, China e Índia. Centenas de milhares de civis, muitos deles cristãos, foram deslocados devido à escalada dos conflitos nas zonas desde o golpe militar de 1º de fevereiro.

As milícias nessas áreas têm apoiado moralmente os manifestantes pró-democracia desde o golpe, que levou ao uso de armas pesadas pelo exército de Mianmar. Milhares de civis nas zonas de conflito buscaram abrigo em igrejas quando suas aldeias estão sob ataque.

A Diocese de Pekhon e a Diocese de Loikaw no estado de Kayah estão entre as áreas mais afetadas desde maio pelo aumento dos combates, observa o UCA News.

No mês passado, as forças de segurança birmanesas dispararam artilharia pesada contra uma cidade no estado predominantemente cristão de Chin, colocando fogo em pelo menos 100 casas e duas igrejas. O Departamento de Estado dos EUA divulgou uma declaração condenando as “graves violações dos direitos humanos”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post