Por serem mais vulneráveis perante a sociedade, as mulheres e meninas cristãs estão mais propícias à perseguição
Por serem mais vulneráveis perante a sociedade, as mulheres e meninas cristãs estão mais propícias à perseguição

Mariam* é uma cristã recém-convertida que conheceu o evangelho após a morte da filha, na Costa do Marfim. A ex-muçulmana e a filha moravam com o irmão dela, que é uma figura importante no bairro onde vivem. Mas quando o tio descobriu a fé cristã da sobrinha, ficou furioso e passou a agredir a jovem.

O muçulmano esperava se tornar líder na comunidade, mas a conversão da jovem foi uma desonra à família. Por isso, ele começou a bater na sobrinha, filha de Mariam, e só parou quando a matou. A polícia prendeu o agressor e ele foi condenado à prisão.

Depois que Mariam viu a filha morrer por amor a Cristo, ela decidiu entregar a vida a Jesus. Agora ela começou a receber ameaças de morte dos outros irmãos e irmãs, por causar mais vergonha para a família. A cristã está segura por enquanto, mas os parceiros da Portas Abertas na região pedem apoio para ajudá-la.

“Estamos com o pastor de Mariam desde as 4h30 da manhã trabalhando juntos para encontrar uma solução discretamente”, explicam.

*Nome alterado por segurança.

Fonte: Portas Abertas