Ex-muçulmanos presos no Irã por se tornarem cristãos. (Foto: reprodução/BosNewsLife)
Ex-muçulmanos presos no Irã por se tornarem cristãos. (Foto: reprodução/BosNewsLife)

O líder da Igreja do Irã Matthias Haghnejad e os outros crentes foram condenados a cinco anos de prisão após uma breve audiência em 23 de setembro, segundo confirmaram os observadores do julgamento à BosNewsLife.

O pastor Haghnejad foi detido pela temida Guarda Revolucionária Islâmica após um culto na igreja em fevereiro deste ano, disse o grupo de defesa Christian Solidarity Worldwide (CSW), que apoia os cristãos.

Os outros crentes Shahrouz Eslamdoust, Babak Hosseinzadeh, Behnam Akhlaghi, Mehdi Khatibi, Mohammad Vafadar, Kamal Naamanian, Hossein Kadivar (Elisha) e Khalil Dehghanpour teriam sido detidos na cidade costeira de Rasht no início de 2019.

A confirmação de suas sentenças ocorreu dias depois que o pastor da Igreja do Irã, Yousef Nadarkhani, encerrou uma greve de fome de três semanas, segundo cristãos familiarizados com sua situação.

Nadarkhani, que cumpre pena de dez anos de prisão por atividades da igreja, iniciou sua ação em 23 de setembro para protestar contra a proibição de que seus filhos continuassem seus estudos.

Ele descreveu sua greve de fome em uma carta às autoridades penitenciárias como “o grito de um pai, injustamente preso”. O pastor disse que as crianças cristãs de segunda geração são cada vez mais penalizadas por autoridades educacionais que não reconhecem sua fé.

Não ficou claro imediatamente se Nadarkhani seria capaz de encontrar os outros cristãos presos. Observadores do julgamento disseram que os nove homens enfrentaram uma severa audiência em julho pelo juiz Mohammed Moghisheh, que ativistas alegam “ser notório” por erros judiciais.

Ele supostamente tentou coagir o pastor Haghnejad, Eslamdoust, Hosseinzadeh, Akhlaghi e Khatibi, a aceitar um representante legal nomeado pelo tribunal.

O juiz finalmente suspendeu os procedimentos, condenando-os sob custódia com um aumento significativo da fiança quando eles se recusaram a fazê-lo, informou a CSW.

“O juiz Moghisheh posteriormente retomou o julgamento do Sr. Vafadar, Naamanian, Sr. Kadivar (Elisha) e Sr. Dehghanpour, que estavam se representando durante o qual ele afirmou que a Bíblia foi falsificada e chamou os homens de ‘apóstatas’, termo usado para deixar o Islã”, acrescentou o grupo.

Apelos esperados

Durante outra audiência no mês passado, o advogado dos réus foi autorizado a falar brevemente, disseram os cristãos. “No entanto, o juiz Mogisheh não teria respondido à sua declaração. Uma fonte informou à CSW que ‘parecia que o juiz já havia tomado sua decisão’”, afirmou o grupo.

A CSW alegou que o juiz “permitiu esse processo como uma formalidade antes de pronunciar uma sentença pré-determinada”.

Todos os nove cristãos estão apelando de suas sentenças, mas o pastor Haghnejad e os defendidos por um advogado já foram presos, disse a CSW.

O diretor-executivo da CSW, Mervyn Thomas, disse à BosNewsLife que seu grupo condena “nos termos mais fortes”, as sentenças proferidas aos cristãos.

“Mais uma vez, fica claro pela brevidade do julgamento e relatou falta de interesse do juiz presidente que o devido processo não foi observado. E o juiz não foi imparcial”, acrescentou.

“As acusações contra esses cristãos são excessivas, completamente infundadas e constituem uma criminalização de uma religião que a Constituição iraniana supostamente reconhece”, enfatizou Thomas.

Apelação

Ele disse que a CSW pediu “a libertação imediata e incondicional desses nove homens” e todos os que estão atrás das grades “por sua religião ou crença no Irã”.

As detenções fazem parte de uma repressão mais ampla a cristãos devotos na nação islâmica, segundo várias fontes e ativistas da igreja. A apostasia e a disseminação do cristianismo geralmente levam a longas penas de prisão e possivelmente a uma sentença de morte no Irã.

Apesar dessas dificuldades, os grupos missionários sugerem que há pelo menos 360.000 cristãos estimados no país. Eles incluem muitos ex-muçulmanos que se voltaram para o cristianismo, buscando liberdade contra regras islâmicas estritas.

O Centro Estatístico, liderado pelo governo do Irã, registra 117.700 cristãos no país, com pouco mais de 82 milhões de habitantes.

O Departamento de Estado dos EUA classificou a República Islâmica como um “país de particular preocupação” sob o Ato de Liberdade Religiosa Internacional de 1998 “por ter se envolvido ou tolerado violações particularmente graves da liberdade religiosa”.

As autoridades iranianas negaram irregularidades, mas dizem que querem proteger o país contra influências externas perigosas.

Fonte: Guia-me com informações de BosNewsLife