A Igreja Católica no México recomenda às mulheres que não usem minissaias. Para a instituição, a pouca roupa provoca violência sexual.

As recomendações do sacerdote Sergio G. Román aparecem em uma publicação na internet destinada a preparar os católicos para o VI Encontro Mundial das Famílias, previsto para o ano que vem, na Cidade do México.

“Quando exibimos nosso corpo sem recato, sem pudor, o prostituímos porque provocamos nos demais sentimentos sobre nós aos que não têm direito”, escreveu Román.

Desde sua divulgação online, colunistas de jornais mexicanos têm satirizado o artigo. Defensores dos direitos das mulheres denunciaram o texto.

Um pequeno grupo de mulheres vestidas com minissaias e blusas decotadas protestou no domingo, em frente à catedral da capital mexicana durante a missa. Elas levavam cartazes com dizeres como: “Vestida ou nua, sou a mesma.”

Para a escritora Guadalupe Loaeza, caso a palavra do sacerdote seja levada a sério, um eventual agressor sexual poderia simplesmente atribuir a culpa à vítima.

“Aos violadores, aos agressores sexuais, concede-lhes a permissão para declarar ‘Pois ela estava de minissaia'”, argumentou.

Guadalupe lembrou que a sociedade mexicana é bastante receptiva ao que diz a Igreja Católica. “Por isso é tão perigoso esse tipo de declaração por parte da Igreja.”

Para a arquidiocese, as palavras do religioso foram “distorcidas”. Segundo o órgão, o artigo somente tentava proporcionar um “guia moral para a comunidade católica”.

As afirmações de Román ecoam comentários similares de autoridades da América Latina e do Caribe. Na semana passada, um superintendente da polícia da Jamaica pediu às mulheres que se vistam de forma mais recatada, para que se reduzam os casos de violência sexual.

Fonte: Bem Paraná