Policiais montam guarda em frente à uma igreja na França
Policiais montam guarda em frente à uma igreja na França

A França está implantando forças militares em locais religiosos, enquanto pastores estão ansiosos e angustiados depois que um padre ortodoxo grego foi atacado com uma espingarda serrada na cidade de Lyon no sábado, dias depois de três pessoas terem morrido em um ataque extremista islâmico em uma igreja católica na cidade de Nice.

Nikolas Kakavelakis, um padre de 45 anos e pai de dois filhos, foi ferido no ataque, de acordo com Antoine Callot, o pastor de outra igreja ortodoxa grega em Lyon, relatou o Epoch Times .

Kakavelakis, um cidadão grego, foi baleado no abdômen à queima-roupa enquanto fechava sua igreja às 16h, horário local, e agora está em estado grave no hospital, informou a France 24 . Um novo bloqueio COVID-19 foi imposto na cidade na sexta-feira, mas o governo isentou os locais de culto até segunda-feira.,

Embora a comunidade ortodoxa grega em Lyon não tenha recebido ameaças, o pastor Callot buscou proteção policial em sua igreja logo após o tiroteio. “Estamos ansiosos e angustiados. É realmente horrível. Agora precisamos nos esconder e ter cuidado”, disse ele.

O promotor de Lyon, Nicolas Jacquet, disse em nota que, quando os policiais chegaram ao local do ataque, viram um indivíduo fugindo e encontraram o padre ferido na porta dos fundos da igreja.

Jacquet disse que um suspeito foi preso. “Uma pessoa que poderia corresponder à descrição dada pelas testemunhas iniciais foi colocada sob custódia policial”, disse ele, acrescentando, no entanto, que a polícia não encontrou nenhuma arma com o suspeito.

Sem encontrar evidências de seu envolvimento, o suspeito foi solto no domingo e a busca pelo atirador continua em Lyon.

O tiroteio aconteceu depois que um homem com uma faca atacou e matou três cristãos em uma igreja enquanto eles assistiam à missa na Basílica de Notre Dame de Nice na quinta-feira. O homem quase decapitou uma de suas vítimas e cortou a garganta de outra. A terceira escapou apenas para morrer por causa das facadas, relatou a Catholic Arena .

As vítimas eram uma senhora idosa, o sacristão da igreja e uma outra mulher. O suspeito feriu vários outros.

A polícia atirou no suspeito, identificado como Brahim Aioussaoi, de 21 anos, da Tunísia. Mesmo sob anestesia, ele continuou dizendo: “Allahu Akbar”, disse o prefeito de Nice, Christian Estrosi, à Radio France Internationale. O prefeito chamou o ataque de “islamo-fascista”.

Os cristãos franceses viram o ataque em Nice como um ataque à civilização francesa, disse o gerente de comunicações do grupo missionário SIM para a França e Bélgica, Vincent Wastable, ao The Christian Post. Embora a maioria dos franceses não sejam cristãos praticantes, eles veem a Igreja Católica como uma parte importante da herança de sua nação.

“As organizações terroristas têm uma concepção errada do que é a sociedade francesa”, disse Wastable. “Eles pensam que a sociedade ocidental é cristã, o que não é mais o caso. A sociedade francesa cresceu e se tornou secularista.”

O Conselho Europeu condenou o “ataque terrorista” na quinta-feira como um ataque “aos nossos valores partilhados” e apelou à “compreensão entre as comunidades e religiões em vez da divisão”.

Morte a “todos que insultarem Maomé”

A Al Qaeda do Magreb Islâmico exortou seus seguidores nesta segunda-feira (2) a “matar qualquer um que insultasse o profeta Maomé” e ameaçou o presidente francês, Emmanuel Macron, por conta da polêmica envolvendo seus comentários sobre o Islã.

No mês passado, Macron defendeu a publicação de caricaturas retratando Maomé com base na liberdade de expressão, lançando uma campanha contra o radicalismo islâmico e gerando fúria em todo o mundo muçulmano. “Matar qualquer um que insulte o profeta é direito de todo e qualquer muçulmano”, disse o grupo jihadista em um comunicado.

O comentário de Macron veio após a decapitação do professor de história Samuel Paty, perto de uma escola da região parisiense, por um suposto jihadista, depois que Paty mostrou a seus alunos caricaturas de Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão.

As polêmicas caricaturas de Maomé também haviam sido publicadas novamente em setembro pelo semanário francês satírico Charlie Hebdo, para marcar o início do julgamento dos acusados do ataque terrorista que o jornal sofreu em janeiro de 2015, deixando 12 mortos.

Após a morte trágica de Paty, Macron prometeu defender a liberdade de expressão, mas o caso gerou críticas entre os muçulmanos em todo o mundo. Muitos países lançaram um boicote contra os produtos franceses. “O boicote é um dever, mas não é suficiente”, disse a Al Qaeda do Magreb Islâmico no comunicado.

A organização terrorista ameaçou vingar os comentários de Macron, descrevendo o presidente francês como “jovem e inexperiente, com um cérebro pequeno” e dizendo que ele “insistiu em ofender o profeta”.

Mesquitas condenam boicote e terrorismo

Três grandes mesquitas e federações muçulmanas reunidas em Paris nesta segunda-feira (2) condenaram “apelos injustificados para boicotar produtos franceses, terrorismo e todos aqueles que instrumentalizam o Islã para fins políticos”, em um comunicado conjunto assinado pelas grandes mesquitas de Paris, Lyon e Saint-Denis de La Réunion, bem como três federações muçulmanas.

“Há momentos em que devemos ser solidários com nosso país, que há várias semanas vem sofrendo ataques injustificados”, escrevem os signatários, lembrando ainda que “a lei francesa dá grande ênfase à liberdade de expressão e promulga os princípios de acreditar ou não acreditar “.

Alguns dos signatários fazem parte do Conselho Francês para o Culto Muçulmano (CFCM), principal interlocutor do poder público, mas esse texto não foi aprovado pela instituição. O presidente do Conselho, Mohammed Moussaoui foi, segundo eles, “convidado” a assiná-lo, mas garantiu não ter estado associado ao processo”.

O texto, que será divulgado online em francês, inglês e árabe, é uma quádrupla condenação. Primeiro, a “condenação de apelos injustificados para boicotar os produtos franceses”. Depois, a de” todos aqueles que instrumentalizam o Islã para fins políticos, diplomáticos ou mercantis para enganar nossos concidadãos e correligionários “.

Os signatários também denunciam “o terrorismo e toda forma de violência em nome de nossa religião”. Finalmente, eles se revoltam contra as “apelos para assassinatos lançados por responsáveis estrangeiros”. Além disso, pedem às autoridades francesas que tomem “medidas enérgicas para que a comunidade muçulmana da França não seja estigmatizada como os semeadores do ódio”.

Folha Gospel com informações de The Christian Today e UOL