Mãos postas sobre a Bíblia durante oração
Mãos postas sobre a Bíblia durante oração

Tanto cristãos quanto não-cristãos estão sendo levados a ter uma vida mais perto de Deus, de acordo com uma nova pesquisa divulgada pela Mainstreet Insights, parceira da McCrindle Research.

A pesquisa mostra que um em cada três australianos passou um tempo pensando em Deus durante a pandemia, enquanto muitos cristãos estão experimentando um ressurgimento de sua fé.

A pesquisa entrevistou 1.000 pessoas em todo o país.

Dos entrevistados que não frequentam a igreja, um em cada três disse que também está orando mais. Cerca de um quarto de todos os entrevistados começaram a ler a Bíblia.

Katie Stringer, de Leichhardt, professora e mãe de três filhos de 6 a 13 anos, disse que ela e sua família oraram mais em casa durante a pandemia. Eles leem passagens da Bíblia durante as refeições em família e no carro durante ida à escola.

Mais de 60 por cento dos cristãos entrevistados disseram que estão orando mais e quase metade passou mais tempo lendo a Bíblia este ano.

Um em cada quatro frequentadores regulares da igreja aumentou sua frequência aos cultos desde o início da pandemia, apesar de muitas igrejas terem que transmitir suas reuniões online devido às restrições da Covid.

De acordo com o cofundador da Mainstreet Mark McCrindle, a tecnologia digital (como livestreaming e mídia social) não só aumentou a frequência à igreja online, mas também aumentou a frequência presencial à medida que as restrições do Covid diminuíram.

“Esses dispositivos têm sido parte integrante de manter as comunidades cristãs unidas durante este ano difícil”, disse McCrindle. “Agora que eles são populares, eles virão para ficar.”

“É um pouco como o velho ditado que diz que mais pessoas iam à igreja em tempos de guerra e crise do que em qualquer outro momento”, lembra Lindsay McMillian.

“Faz sentido porque Covid é basicamente uma crise”, disse McMillian à Eternity.

“Acho que as pessoas se tornaram muito mais reflexivas, isso foi um resultado da Covid, porque de repente as coisas que as pessoas pensavam ser importantes tornaram-se menos importantes. E as coisas que se tornaram mais importantes vieram à tona. Por exemplo, mortalidade, porque de repente as pessoas ficaram impressionadas com o fato de que não sabemos muito bem como será o futuro, e isso força as pessoas a um modo reflexivo”, explica.

“E então onde as pessoas fazem essa pesquisa. Elas pesquisam as coisas da fé. Temos esperança de que haverá uma continuação de pessoas se tornando muito mais reflexivas sobre a fé”, diz Lindsay McMillian

Mais oração

As descobertas desta pesquisa se correlacionam com uma semelhante nos EUA pela Pew Research, McMillian observa. Essa pesquisa descobriu que mais americanos estavam orando e lendo a Bíblia devido à Covid.

Quando questionado se ele espera que essas tendências em relação a Deus continuem, MacMillian diz: “Agora estamos entrando em uma nova normalidade. Isso é um clichê, mas o fato é que precisamos redefinir a maneira como pensamos sobre a vida, o trabalho e nossos relacionamentos.”

Ela explica que em outro estudo feito, foi observado um foco maior de pessoas que desejam se reconectar nos relacionamentos e na comunidade. “Então, puramente de um ponto de vista baseado na fé, temos esperança de que a fé das pessoas aumentará e os relacionamentos serão aprimorados, e que haverá uma continuação das pessoas se tornando muito mais reflexivas sobre a fé.”

“Porque, se você considerar puramente de um ponto de vista secular, o futuro não é claro e o cenário mundial muda quase da noite para o dia, como sabemos. Acho que isso força as pessoas a refletir sobre o aqui e agora, onde estou em relação à minha fé e o que isso significa”, diz MacMillian.

Fonte: Guia-me com informações de Eternity News