Será discreta a participação da Record, emissora da Igreja Universal do Reino de Deus, na cobertura da visita do papa Bento 16 a São Paulo, em maio. A rede se recusou a bancar os custos de um helicóptero para captar imagens aéreas dos deslocamentos do papa na cidade.

A decisão gerou descontentamento das demais emissoras que, lideradas pela Globo, compõem o pool de cobertura do acontecimento. No pool, cada TV é responsável por parte da cobertura, gerando imagens para todas.

A participação da Record se limitará à captação de imagens, com quatro câmeras, em frente ao mosteiro São Bento, no centro de São Paulo, onde o papa ficará hospedado. Será menor do que a da Rede TV! e da Rede Vida, que juntas mobilizarão 12 câmeras para cobrir um evento do papa em uma fazenda.

A Band, que fatura bem menos do que a Record, irá alugar helicóptero e empregará 12 câmeras e gerador para encontro católico no Pacaembu.

A Globo gerará as duas grandes missas de Bento 16, empregando 12 câmeras (em cada uma), helicóptero, moto-link, carro-link e gruas. O SBT cobrirá os deslocamentos por terra.

A Record diz que foi a Globo que lhe impôs o mosteiro de São Bento. Informa que a câmera de seu helicóptero está quebrada e que o conserto levará mais dois meses. A Record afirma ainda que seu departamento de jornalismo está sem verbas para alugar helicóptero.

Fonte: Folha de São Paulo