O bispo português Ilidio Leandro afirmou, em mensagem divulgada pela internet, que os pacientes com Aids devem usar preservativos se decidirem manter relações sexuais, dias depois do escândalo causado pelas declarações do papa Bento 16 em sua viagem à África.

A pessoa infectada com o vírus HIV “que não pode evitar ter relações sexuais está moralmente obrigada, para não transmitir a doença, a usar preservativo”, escreveu o bispo, da diocese de Viseu (norte do país).

Ele afirma, no entanto, que compreende a posição de Bento 16. “Quando o papa fala da Aids e de outros aspectos da vida humana, não pode estabelecer uma doutrina para situações individuais ou casos concretos”, explicou Leandro ao jornal “Diário de Noticias”. “O papa não poderia dizer outra coisa sendo chefe da Igreja católica”, acrescentou, dizendo não temer que suas declarações vão provocar outra polêmica.

O início da viagem do sumo pontífice pelo continente africano foi marcado por suas polêmicas declarações sobre o uso de preservativos, quando afirmou que não se podia “solucionar o problema da Aids com a distribuição de preservativos”. “Ao contrário, sua utilização agrava o problema”, enfatizou.

Isso levou à reação de várias ONGs, como o Movimento Camaronês pelo Acesso aos Tratamentos. “O papa vive no século 21?”, questionou o diretor da organização, Alain Fogue. “As pessoas não vão fazer o que o papa disse. Ele vive no céu e nós vivemos na Terra.”

Na véspera, uma das publicações médicas mais respeitadas do mundo, a revista britânica “Lancet”, acusou o papa de ter distorcido as evidências científicas em suas declarações sobre o uso do preservativo e exigiu que faça uma retratação.

“Ao dizer que os preservativos aumentam o problema do HIV/Aids, o papa publicamente distorceu evidências científicas para promover a doutrina católica nessa questão”, afirmou a Lancet. “Se o erro do Papa se deveu à ignorância ou a uma tentativa deliberada de manipular a ciência para sustentar a ideologia católica não é claro.”

A publicação britânica acrescenta: “Quando uma pessoa influente, seja uma figura religiosa ou política, faz uma falsa declaração científica que pode ser devastadora para a saúde de milhões de pessoas, ela deveria se retratar”.

“Qualquer coisa a menos da parte do papa Bento 16 seria um imenso desserviço ao público e aos defensores da saúde, incluindo milhares de católicos que trabalham incansavelmente para tentar evitar a propagação do HIV/Aids no mundo.”

Fonte: Folha Online