Uwaila Vera Omozuwa foi estuprada e morta eu sua igreja, na Nigéria

Uma estudante cristã nigeriana de 22 anos foi estuprada e morta enquanto estava em sua igreja estudando, disseram membros da família. 

Uwaila Vera Omozuwa, uma estudante de microbiologia da Universidade de Benin, morreu no sábado, 30 de maio, dois dias depois de ser atacada dentro da Igreja Cristã de Deus Redimida (RCCG, sigla em inglês) na cidade de Benin, capital do estado de Edo, no sul da Nigéria

Omozuwa, era membro do coral da igreja, foi encontrada seminua deitada em uma poça de sangue por um segurança, disseram membros da família aos meios de comunicação.

“Ela queria ser ministra e pregar a palavra de Deus”, disse à CNN a irmã de Omozuwa, Judith , explicando que a igreja era seu lugar favorito. “Ela foi assassinada onde sempre encontrou a paz. é devastador.”

A polícia prendeu um suspeito que se acredita estar relacionado ao assassinato de Omozuwa. A porta-voz do Comando da Polícia de Edo, Chidi Nwabuzor, disse à mídia nigeriana que o suspeito foi detido após a análise das impressões digitais encontradas no extintor de incêndio com o qual ela foi atacada. 

“O item usado no ataque, que era um extintor de incêndio, foi recuperado. Imediatamente os agentes que estavam com alguns especialistas examinaram as impressões digitais que levaram ao nosso suspeito”, afirmou Nwabuzor. “No local do incidente, o suspeito foi preso.”

O pastor superintendente geral da igreja, Enoch Adeboye, disse em comunicado divulgado na mídia social que a denominação trabalha com as autoridades para garantir que elas “possam punir os culpados”. O RCCG é uma das maiores denominações cristãs da Nigéria.

“Eu e membros da minha família condenamos esse ato com veemência e exortamos todos a permanecerem calmos, já que estamos analisando o assunto e cooperando com a polícia para estabelecer os fatos do chocante incidente”, escreveu Adeboye. 

Relatos do assassinato da mulher provocaram a tendência da hashtag #JusticeforUwa. Sua morte provocou protestos nacionais.

Em toda a Nigéria, muitas mulheres e meninas foram sequestradas, estupradas e mortas por vários atores, incluindo militantes islâmicos, pastores radicais e gangues criminosas. Mulheres e meninas também sofrem atos de abuso sexual e violência doméstica. O Fundo das Crianças da ONU descobriu em 2014 que cerca de uma em cada quatro meninas foram vítimas de violência sexual na Nigéria. 

Osai Ojigho, diretor da Anistia Internacional na Nigéria, disse ao The Guardian que o caso de Omozuwa atraiu tanta atenção porque “mesmo nos espaços em que mulheres e meninas deveriam estar mais protegidas contra a violência de gênero, o lar, as escolas e agora os locais de adoração, está chegando lá. “

Enquanto membros da família disseram que os médicos afirmaram que Omozuwa foi estuprada, a CNN relata que as autoridades da Nigéria ainda não decidiram o incidente como estupro, mas que o descrevem como um “ataque sexual desumano”.

“Isso mostra como a polícia não está disposta a investigar casos de estupro e prefere investigar acusações de assassinato”, disse Ojigho . “Ambos são crimes hediondos e nenhum deve ser descartado pelo outro.”

Os cristãos são frequentemente mortos na Nigéria por diferentes facções.

A morte de Omozuwa ocorreu menos de uma semana antes dos assassinatos do Rev. Emmanuel Bileya e sua esposa, Juliana, no estado de Taraba, na Nigéria, na segunda-feira, enquanto estavam em sua fazenda.

Bileya, um pastor da Igreja Reformada Cristã na área do governo local de Donga, estudou no Calvin Seminary, em Michigan, e estava nos estágios finais de um programa de doutorado no Instituto de Estudos de Adoração Robert E. Webber, em Jacksonville, Flórida.

Uma estimativa recente da organização não governamental Sociedade Internacional para Liberdade Civil e Estado de Direito sugere que mais de 620 cristãos foram mortos na Nigéria até agora em 2020, enquanto milhares foram mortos nos últimos anos. 

A Nigéria foi adicionada à “lista especial de observação” do Departamento de Estado dos EUA que se envolve ou tolera violações graves da liberdade religiosa pela primeira vez em dezembro passado e é classificada como o 12º pior país do mundo na Lista Mundial da Perseguição publicada pela Portas Abertas dos EUA. 

Folha Gospel com informações de The Christian Post