A União Européia deve reconhecer “o papel central do cristianismo na tradição e na história do Iraque e recordar continuamente, nos seus contatos e discussões com o governo iraquiano, a questão da tutela da comunidade cristã, hoje ameaçada de extinção, e das minorias religiosas naquele país”.

É o que pedem os bispos da Comunidade Européia em um comunicado de imprensa divulgado na conclusão da Assembléia Plenária do Conselho das Conferências Episcopais da Europa, COMECE que se encerrou na última sexta-feira em Bruxelas, na Bélgica.

Os bispos constatam “com tristeza que a União Européia, nas suas relações com os países não europeus, realiza ainda insuficientes esforços para enfrentar com determinação o problema da violação da liberdade religiosa das minorias em outras partes do mundo”.

No comunicado destaca-se também que os bispos encarregaram o Secretário da COMECE, padre Piotr Mazurkiewicz de constituir um grupo de peritos com a tarefa de “levar em consideração o princípio de reciprocidade em matéria de liberdade religiosa”. O relatório deste grupo será apresentado durante a próxima Assembléia Plenária da COMECE, prevista para o mês de março de 2009.

Fonte: Rádio Vaticano