Canal de TV infantil Nickelodeon confirma que Bob Esponja é um personagem LGBT
Canal de TV infantil Nickelodeon confirma que Bob Esponja é um personagem LGBT

De acordo com um novo relatório, a Nickelodeon está vendo uma queda dramática na audiência à medida que a rede continua a exibir conteúdo relacionado ao LGBT em sua programação que é voltada para crianças.

Segundo o blog de notícias Pirates and Princesses, a rede infantil perdeu mais de dois terços de sua audiência nos últimos quatro anos.

“Desde julho de 2017, a audiência da Nickelodeon caiu de 1,3 milhão de telespectadores por semana para uma média de apenas 372 mil em junho de 2021”, disse o site. “Em apenas quatro anos, a Nickelodeon diminuiu mais de dois terços de sua audiência.”

“Isso é catastroficamente ruim para o canal a cabo”, diz a publicação que explica que a Nickelodeon parece ser a principal força motriz por trás de novos assinantes da Paramount+, um serviço de streaming norte-americano.

Paramount +, um serviço de streaming de propriedade da ViacomCBS Streaming, trouxe de volta conteúdo antigo da Nickelodeon para atrair fãs nostálgicos ao serviço. Os programas adicionados ao serviço de streaming incluem Rugrats e iCarly, entre outros programas.

No entanto, Pirates and Princesses diz “que a Viacom não aprendeu nenhuma lição e está adaptando esses programas antigos com os mesmos princípios que resultaram na enorme perda de classificações da Nickelodeon”.

Por exemplo, Rugrats, que foi trazido de volta como uma reinicialização para Paramount +, agora apresenta uma personagem reconstituída que agora é lésbica.

“Mesmo com um programa sobre bebês, muitas das cenas têm sido sobre uma personagem lésbica. Seja qual for o seu pensamento sobre o assunto, é difícil ver como um programa infantil enfatiza a sexualidade”, disse o blog.

Como já foi relatado anteriormente, a Nickelodeon, em colaboração com o ator transgênero Michael D. Cohen, lançou o “Desafio de Atuação Juvenil Trans”, uma iniciativa projetada para permitir que jovens transgêneros ou não binários “realizem seus sonhos” de atuar e escalou seu primeiro adolescente transgênero para estrelar um de seus programas.

Em comemoração ao mês do “Orgulho Gay” deste ano, a rede Blues Clues & You também lançou um videoclipe animado onde a drag queen Nina West canta numa parada gay, ao lado de animais que se identificam como gays, transgêneros e não binários.

No início deste ano, o Blues Clues também lançou uma canção do alfabeto com referências ao orgulho LGBT. A emissora já havia causado polêmica, em 2020, ao assumir oficialmente que “Bob Esponja Calça Quadrada” é um personagem LGBT.

Programas infantis com personagens gays

Em 2019, o site cristão Christian Headlines fez um levantamento em que aponta 12 programas voltados para o público infanto-juvenil que apresentam temáticas LGBT.

Um deles é o desenho da PBS, Arthur, que ganhou as manchetes tanto nos EUA quanto em outros países, e “atraiu a consternação de muitos pais neste ano, quando apresentou um casamento entre pessoas do mesmo sexo”.

A famosa série animada My Little Pony também apresentou um casal de lésbicas, na sua nona e última temporada. O episódio mostrou a tia Holiday e a tia Lofty – o casal de lésbicas – como cuidadores do pônei Scootaloo.

“Programas cristãos infantis serão forçados a lidar com questões LGBT”

O criador de “Veggie Tales” (“Os Vegetais”, no Brasil), Phil Vischer, disse, em 2019, que os cineastas cristãos terão que começar a abordar questões LGBT e relações entre pessoas do mesmo sexo de uma perspectiva bíblica, porque as crianças já estão vendo essas histórias em filmes seculares e programas de TV.

“Os pais definitivamente terão que lidar com uma crescente presença LGBT na mídia infantil”, disse Vischer ao The Christian Post. “Vai aparecer cada vez mais conforme o mundo decide que as questões LGBT estão nas mesmas categorias que as questões de raça e direitos civis. Então, dizer que você não deveria ter um casal do mesmo sexo em ‘Sesame Street’ (‘Vila Sésamo’, no Brasil) é o equivalente a dizer que você não deveria ter um casal negro neste programa”.

Veterano no mundo do entretenimento infantil, Vischer disse que é apenas uma questão de tempo para que ele e outros produtores cristãos tenham que abordar a questão do ponto de vista bíblico.

“Eu acho que isso terá que ser resolvido em algum momento; Eu acho que é uma questão de tempo ”, disse ele. “Mas agora, acho que seria difícil por algumas razões. Primeiro: a nuance de como tratar as questões LGBT não é acordada dentro da Igreja; e em segundo lugar, alguns pais podem querer ter essa conversa com seus filhos. É complicado porque é tão divisivo. Seria difícil fazer isso de uma forma que funcionasse e correspondesse às expectativas de todos.”

Folha Gospel com informações de Christian Headlines