Os pastores Teo Hayashi, Lamartine Posella e André Valadão. (Foto: Reprodução / Instagram)
Os pastores Teo Hayashi, Lamartine Posella e André Valadão. (Foto: Reprodução / Instagram)

Adriana Bernardo
Guia-me

As mídias sociais aproximaram as pessoas de pastores e líderes evangélicos, não importando onde estão. Instagram, TikTok e outros meios de relacionamentos virtuais deixaram os contatos mais acessíveis.

Nesse ambiente digital, pastores que gostam e têm facilidade de se comunicar estão experimentando forte crescimento em número de seguidores. Para manter esse público por perto, eles usam a criatividade, suas habilidades e as ferramentas disponíveis pelas próprias plataformas.

Aproveitando a onda das ‘caixinhas de perguntas’ (canal em que os seguidores fazem questionamentos diretos às pessoas que seguem, desde que sejam abertos para isso), os pastores têm usado esse ambiente virtual para pregar, ensinar e para responder as perguntas e curiosidades referentes à Bíblia.

São perguntas que exigem respostas rápidas. Não se trata de estudos teológicos. Algumas, inclusive, são opiniões dos pastores sobre determinado assunto, comportamento, notícia.

Entre os que mais têm se destacado nesse tipo de relacionamento com os internautas, estão: André Valadão (Lagoinha Orlando), Josué Valandro (Igreja Atitude), Larmartine Posella (YAH Church), Pastor Lipão (Onda Dura), Teo Hayashi (Zion Church) entre outros.

Com respostas que variam entre sérias e divertidas, o cantor e pastor André Valadão, que é seguido por mais de 2,8 milhões de pessoas, procura tirar dúvidas que chegam a parecer brincadeira. Mas nem por isso, são desprezadas. Fazendo um tipo matuto mineiro, responde a todas.

“Pastor, pode ir de havaiana pra igreja?”, perguntou alguém a André Valadão, que respondeu: “Você tem que ir pra igreja. Você pode até ir descalço”. Em uma questão semelhante, disse que “o importante é ir pra igreja, porque igreja é lugar de bênção”.

Josué Valandro, do Rio de Janeiro, também aderiu às perguntas. Com mais de 200 mil seguidores, em uma delas, sobre perdão, respondeu:

“Pra liberar perdão, basta você querer ser feliz. Se você não liberar perdão, você vai ser um infeliz e carregar essa pessoa com você pra onde você for. Quando você libera perdão, você fica na liberdade. Não tem preço a liberdade. Jesus ensinou que você tem que perdoar.”

Incentivos

Os pastores incentivam seus seguidores a enviarem perguntas, sem limitar o conteúdo delas. “Manda uma pergunta braba”, pede o Pr. Lipão. Em seguida, recebe a seguinte questão: “Qual sua opinião sobre as panelinhas nos altares da igreja?”.

Lipão responde que na igreja devemos nos esforçar para viver em paz com todos, porém, é natural que alguns terão mais afinidade conosco que outros. O pastor aproveita para deixar a seguinte reflexão: “Muitas vezes, aqueles que falam da existência de panelinhas são esses que, na verdade, estão querendo uma panelinha”.

Uma questão que causa muito interesse nas pessoas é a vida após a morte. Um seguidor do Pr. Lamartine Posella quis saber: “Quando uma pessoa morre em Cristo, pra onde vai a sua alma?”

O líder da YAH Church que usa o TikTok, o Instagram e o YouTube, onde alcançou a marca de mais de um milhão de seguidores, responde: “Jesus disse: Quem crê em mim não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. O crente não vai pro Juízo Final. Vai pro Tribunal de Cristo para receber os galardões. E quando morre está imediatamente no Paraíso com Cristo.”

Teo Hayashi e sua esposa Junia são adeptos das perguntas no Instagram. Juntos, o casal tem quase 900 mil seguidores na plataforma.

O pastor estimula seus seguidores a enviar pergunta. Em uma postagem escreveu ‘Pomandá’. Logo, chega a questão: “Qual o maior problema da juventude evangélica brasileira?”

Organizador do The Send Brasil, Hayashi responde que a juventude brasileira é uma das mais apaixonadas por Jesus no mundo. Mas adverte que, apesar disso, “tem muito pouca Bíblia nessa juventude”.

O pastor respondeu também que “teme que tenha muito mais uma aderência a uma cultura evangélica moderna do que à cruz”.

Fonte: Guia-me